sábado, 18 de outubro de 2008

Tá escrito

Plenitude.
Não há outra palavra para definir minha vida no momento; tudo que existe (e o que não existe; pensamento abstrato) faz alusão à ela: gatos-música-dança-livros-quadrinhos-(mesmo-os-meus)-filmes... Bebo-como-expiro-inspiro.
E já não sei como o mundo antes existia antes.
'Tou preso, não quero sair. 'Tou preso, me deixo prender e me deixo levar. Por ela; por você.