sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

(...) Run Free














é mais ou menos assim que acontece: eu espero, como quem não quer nada. evito as putas, os malucos que passam balbuciando e o resto. Não, não tenho. é o último cigarro. pedaços de músicas me distraem enquanto ela... chegou. 
de não ver mais nada atravessar a rua por entre os carros noite quente brilhando e rindo gato de Cheshire incrível... Oi. um pouco de sorrisos e o mundo um pouco diferente, menos quebrado. vamos dançando pelas ruas, nossas sombras pelos becos: o balanço é bom; segura a minha mão enquanto os prédios giram - não quero dizer que dançam entre si, seria muito estranho.
passam-se horas e seguimos a esmo em nossa festa, paradas furtivas enquanto beijos passam por nós.

Nenhum comentário: